18 agosto 2017

Incredulidade






O tempo galga-me mais um ano sobre o palco da relatividade;
razões emocionais se desprendem da circunstância óbvia da experiência.



Entre uma ruga e outra, aborto uma dúvida e o peito fertiliza a incerteza.



Sei que sou um pouco do que não queria e ponho-me ao canto
-entre a imprecisão e a precipitação de um ciclo –
saúdo meu tempo,
com mais um gole de poema
na maior taça de incredulidade do meu próprio universo...





(DGC) agosto 2015

08 agosto 2017








BARRO

Comparo o beijo da traição
à saliva do escarro;
- de fato, sem exceção,
igualo ao sabor de barro!

(DGC)

02 agosto 2017



Igualo o abraço da traição,
ao banho do inflamável:
mas ainda com a adição
da faísca – inafastável!




(DGC) 2017







O horizonte rompe-se em estalactites interrogativas!

Caem respostas de questões insuportáveis:

- filosóficas e cotidianas!



Do universo,

a multidão é o algo único que se distingue em sua própria pluralidade.



Entre a exatidão próxima do acaso e o caos

a individualidade se enquadra nos rastros das questões próprias

a rudimentar indefinição do que queremos...e de quem amamos!



e quase sempre, os censuráveis são os que provam as suas indecisões.



sobre essa verdade insípida, provo o pior sabor de meus pecados!



(DGC) 08/2017

25 julho 2017



Uma carta considerada de amor....




Entre tantas fases estranhas e questionáveis que vivemos, existiram fatos claros e inquestionáveis nesse percurso que escolhemos seguir que são, decerto, positivos; mesmo sendo frustrantes para nós, ainda estamos juntos e trabalhando por melhoras, unificando nosso amor quando juntos educamos nosso filho...

A deixei sempre livre para suas escolhas mantendo a porta aberta à sua disposição, apenas pedindo que saia de cabeça erguida, sabendo que se voltar, essa mesma porta poderá estar fechada.
Talvez chegue o dia que sua escolha seja partir para novas experiências e anseios, mas saiba que ninguém a amará e respeitará suas vontades como a amei e respeitei; fui rude quando necessário, mas compreensível e terno quase sempre e ninguém a desejará e lutará como lutei em seu corpo buscando sua satisfação antes da minha própria.


Talvez também possa chegar o dia em que eu queira partir, mas sei, de fato, que deixarei as melhores lembranças e as mais sinceras atitudes de dignidade, dando o exemplo que desejo ao meu filho, e mostrando-lhe que você sempre fora única e insubstituível...


(Douglas G C) a Gisele Santos da Silva 2017

02 maio 2015



Beijo opcional



Sua boca de cometa em carnes viçosas labiais
abriam uma rama de dentes brancos como a lua;
sua cútis em harmonia com o universo,
mostrava que a perfeição e a noite entrelaçavam-se,
numa concordância única e imensurável!


Fixa ao meu olhar seus olhos redondos de galáxia feminil
que me permite aproximar-me da verdade
que carrega a fenda de sua boca de mistério.


Nasce, em uma fusão de instante parcial de opções adversas, o beijo.
Uma corrente infindáveis de pensamentos nascem;
o toque de sua língua jovial em minha boca,
lembraram-me o tempo universal da matemática da evolução.


E todas as idéias, todos os conceitos e abordagens humanas,
despencam-se em uma catarata de lâminas sem cortes sobre minha carne,
pondo-me a entender o quanto o homem é breve em um universo ilimitado!






(Douglas Gomes Cremasco)




LLP

01 maio 2015





Panorama.





No universo, a galáxia; - na galáxia, bilhões de estrelas;

- nas estrelas, um ponto; no ponto, o ápice;

-no ápice, a ponta de seus dedos e o universo de magnitudes...





Nas velas das embarcações das questões óbvias

sopra um vento de pensamentos de segredos do princípio





e a questão é inaugurar aos olhos a primeira pegada de seu próprio lance de vista.





  1. (Douglas G Cremasco )2015

28 dezembro 2014











Natal 2014


Catalogamos o tempo; sugerimos repartições ao espaço biológico.
Procuramos entender qual a parte que nos cabe.

A história; os filhos; a evolução!

Brindamos à casualidade frívola dos bens!

Subitamente entrelaces de carne humana cruzam e pulsam um período;
todo se forma e canaliza um rio único em uma ampulheta de vísceras...

O homem sentou na ponta da atitude e formou-se um predador de si próprio.

A natureza senta numa arquibancada temporal e digere,
lentamente,
qualquer sentido de sua própria incompreensão...

... a esperança arromba gritos numa distância imensurável
e infinitamente lambe a existência de nossa própria insanidade!


(DGC 2014)

05 dezembro 2013

O grito





O grito e o choro pulsam na garganta;
- esfolam a traqueia que reage padecida!


Todos os prantos, escondidos ou invisíveis,
ressurgem do peito explodido e hoje inerte!
e transformam em um só aprisionado,
- e quando uma lágrima desertora irriga a face noturna,
com seu semblante de apneia enraivecida,
o soluço reprime a prisão pouca e sem estrutura,


em instantes,- o grito arromba-me a verdade!

- lambe a minha carne, bravejando-a, já insípida!

(Douglas G C) 2013

03 dezembro 2013

Memória e insonia







Memória e insonia

Sentada à vontade; o cabelo solto...
A calça justa carimbava os seus contornos de mulher;
- os olhos em harmonia com a pele branca e límpida;
o polegar nos lábios e as idéias acesas.

A cadeira girava em meia rotação;
o instante rompe a ocasião e a metafísica universal;
o olhar fixado sem destino certo;
- junção de espaço e tempo em minha galáxia masculina.

Gritam minhas intenções instintivas; - intumesce o meu desejo!
A oportunidade é única e imparcial:
- meus olhos a fixam, ela percebe; se ajeita; finjo minha visão,
- busco outro ângulo...

A pele branca avermelha-se ao pudor;
-ajeita os cabelos e seu pescoço resplandece como a aurora.

Sorri...

A memória e a insônia se entrelaçam desde então...


(Douglas G Cremasco) 23/07/2012


a LLP

27 setembro 2013

A fundo






A FUNDO




As pessoas em minha volta
são todas humanas:
erram, envergonham, 
humilham, destroem...


Eu faço parte de minha volta!
Vejo-me em meu centro
com os olhos babando lágrimas...

- Não queria ser humano!
queria ser uma pedra.

Queria ser uma pedra jogada num lago por mim...

(Douglas G Cremasco)

12 agosto 2013


Poema dos 32 tempos



Dei mais um ano à época que vivo;
- em troca ganhei rugas e mais dúvidas,

Os anos enrufou-me a carne e suavizou-me questões.



- O tempo é simples:
- sempre esteve na goteira da torneira da pia esquecida
e impregnado na ferrugem das lembranças 
inesquecíveis...


As dúvidas, nem todas são sanadas! 
e os amores, nem todos esquecidos.



Caminhamos juntos, quase sempre,
em um caminho pouco tortuoso,
onde os sons dos cucos, são as pegadas –
impregnadas com pistas de onde fui e o que sou...



                                                    O tempo é assim, nem tão cruel, nem tão piedoso;

se diverte com a galáxia tão como uma criança
no parque ingênuo da existência,
ou um senhor, coando o café, no mesmo universo convexo!

(Douglas GC) 07/08/2013

21 dezembro 2012


Passam-se os anos e ficam
as idéias e o por quê:
- e as questões se mortificam
na expressão que não se vê!
A matéria se transforma
no universo corrosivo
que a economia o torna
obsoleto e evasivo!

(DGC)  2012

19 julho 2012

Cosmos



O pó se ergue com o vento
entre o chão e a imensidão;
entre  esse espaço me atento
aos sopros da pretensão!

a areia que te cega
não é a mesma que a dúvida:
 -  e o vento também carrega
a incerteza sóbria e lúcida!

entre o vazio e o espaço,
nos átomos que o separam,
as respostas  são o laço,
- ou enforcam ou te amparam!

O cosmos se arromba irreverente!

(Douglas G Cremasco) 2012


Fronteira das privações





à minha volta o egoismo das classes
e a ignorância exalando o individual;
causas, razões e efeitos nas faces
do poder e da ação desigual!


o preço segue designado
até ao alvorecer dos anseios e ações;
afirmando o catalogado
da fronteira das  privações.

(Douglas G Cremasco) 19/07/2012

24 março 2012

Morte


Hoje  presenciei a morte;
- pálida, tênue, imparcial e indiferente,
lasciva já na carne sem vigor,
pus-me diante das mais intrínsecas,
ocultas e descomplicadas questões do mundo:
- a face do mistério diante da filosofia transcedental.


E assim, como o último fôlego do filho que enterrarás
na cova rasa de sua resignação martirizada de vida,
o óbito injusto e cruel passa imparcial e invisível.

Ainda ouço dizerem entre prantos: “ – Adeus para sempre, amada irmã!”
 E o corpo em seu semblante responde: “ - Até breve!”

E os mistérios tornam-se tão simples quanto a cessação definitiva da ocasião.

 (Douglas Gomes Cremasco) 05/03/2012

01 fevereiro 2012

Mentira





quando o espelho lhe permite
expôr alguma verdade,
a imagem que ele emite
é a mentira da vontade!

(Douglas G Cremasco)

31 dezembro 2011

ANO NOVO





À imensidão do momento
o ano novo se aproxima;
eis a questão que lamento:
- os erros do velho por cima!

 (Douglas G Cremasco)


Remorso


Remorso


A consciência retorce em anseios
o propósito da reação:
a atitude por qualquer meios
desgasta o bom-senso e a razão!

 (Douglas G Cremasco)

10 dezembro 2011

Infidelidade





INFIDELIDADE

Quando o instante persuade a razão
do segundo que aflige o momento,
de repente,  qualquer intenção,
reescreve qualquer sentimento!

(Douglas G Cremasco) Ao meu amor...

02 dezembro 2011

QUANTO MAIS ESTUDO, COMPREENDO, ENTENDO E ASSIMILO A RELIGIÃO E SEUS CRIADORES, APRENDO QUE O HOMEM NUNCA AMOU NENHUM DEUS ALÉM DELE MESMO!
   FAZER O BEM PARA UMA VIDA PÓS MORTE NO PARAÍSO É A MAIOR DE TODAS INDIVIDUALIZAÇÕES MISERÁVEIS E HIPÓCRITAS QUE JÁ OBSERVEI...

Se você rezar por chuva por bastante tempo, ela eventualmente cai. Se você rezar para que enxurradas se acalmem, elas eventualmente o farão. O mesmo acontece na ausência de preces.
— Steve Allen

Era uma vez um tempo em que todas as pessoas acreditavam em deus e a igreja governava. Esse período foi chamado de Idade das Trevas.
— Richard Lederer


A natureza não é cruel, apenas implacavelmente indiferente. Essa é uma das lições mais duras que os humanos têm de aprender.
— Richard Dawkins




16 novembro 2011

IRRESOLUTO


Meu peito estanca uma explosão de entusiasmo
à medida que reconheço a minha carne e sangue.

Os anos passam como uma cachoeira de lama
seguindo as vísceras de minha consciência
ao  ininterrupto momento de ilusões metafóricas.

Tudo se torna obsoleto e incapaz de sanar qualquer necessidade.

E quando o sol se resguarda num poente incógnito
nascendo em uma fenda de ilusões diárias, põe-se o peito à resignação.

Nessa alvorada de interrogações e anseios universais
a face do estranho se reconhece em meu semblante matutino
e as dúvidas são regadas pelas águas claras da incerteza!


E nenhum deus, causa ou religiões me expurgam esse sentimento irresoluto.

(Douglas G Cremasco)

19 outubro 2011

Filosofia cultural



Filosofia cultural



Encontro a resposta e não sinto
elucidar-se a questão:
- a pergunta é o labirinto
da réplica sem padrão.

(Douglas Gomes Cremasco) 19/10/2011


10 julho 2011

Mídia


A mídia cumpre o papel
de expor a imagem que vende:
- seja um burro a corcel
ao insulto que não entende! 

(Douglas G Cremasco)  10/07/2011

02 janeiro 2011


O poema não nasceu naturalmente,
mas a foto está aí...
Continue por aqui, amiga,

" Depois de algum tempo você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida,mas quem você tem na vida."

Abraço e Parabéns...

01 janeiro 2011

Meu tempo, meu anseio

O tempo, caótico, espreme minhas córneas,
explodindo o pitoresco futuro de meu momento.

O meu presente é a atualidade
e as recordações de todos os meus anseios.

Sou pouco do que queria ser e do que não queria!
Um tanto disso que prezo e um tanto daquilo que não.

Entre esse mistério galáctico e as rugas da face neutra,
(meu filho que me perdoe)
ouço a velhice à porta, todavia, sem querer encontrá-la.

(Douglas G Cremasco) 01/01/2011

05 novembro 2010

Prova.




Tão somente a verdade do fato
à questão que se impõe, não lhe serve;
- não importa a eloquência do ato
e o princípio de quem o observe.

Douglas G Cremasco 05/11/2010

04 novembro 2010

Silêncio sonoro à Criação




O meu silêncio, em vão,
não sossega a minha busca:
- Quando apalpo a vastidão
do grito que me ofusca,
sinto escorrer a razão
de que não existe busca...

Douglas Cremasco 04/11/2010

26 outubro 2010

Instintos Primitivos


Instintos Primitivos

Um poeta dizer que não crê em amor
é o mesmo que a paz galgar no caos e sorrir à luta armada.

Não acredito no amor!

E os meus versos sempre me levaram à imundície da minha própria evolução.

A satisfação momentânea é o Deus da ocasionalidade nas vulvas e nas ereções,
no poder de compra, de conquistas, desejos e posições.

(instintos primitivos organizados e associados à sociedade moderna)

Eis a minha caverna de questões universais com luz elétrica, internet e água encanada.

 (Douglas G Cremasco) Outubro/2010



25 outubro 2010

Poema ao meu primeiro carro

Poema ao meu primeiro carro


Comprei um Ford 91– com teto solar!
- meu filho colocava a cabecinha de fora
e a simplicidade do instante era ímpar.

A satisfação irremediável da matéria
(por incrível que pareça)
obtive em momentos que o dirigia..

E, tempos depois, por diversas questões,
a  placa de “Vende-se”
me deixava com uma sensibilidade estranha.

Não passou muito tempo,
estacionado na rua,
bate na porta de casa e pergunta de quem era o carro...
(“de quem era o carro?”)

- Compraram...
o gari, que estava varrendo a rua,
ainda uniformizado e com a vassoura em punho,
arrastando seu carrinho de lixos da sarjeta,
levou o meu primeiro sonho consolidado.

Pela primeira vez senti a hodiernidade da revolução humana em minha história.


(Douglas G Cremasco)
Outubro 2010




25 setembro 2010

?????????????????????????????

ONDE HÁ DÚVIDA HÁ SUSPEITA
DE ALGUMA COISA INCORRETA,
NÃO HÁ MENTIRA PERFEITA,
NÃO HÁ VERDADE COMPLETA. 


*autor desconhecido

22 setembro 2010

PECADO E PERDÃO


PECADO E PERDÃO

Ganhei com pouca ternura
uma questão à traição:
- Dúvida é a conjectura
do pecado e do perdão!

(Douglas G Cremasco)

12 setembro 2010

PAI E FILHO







Um poema como outro qualquer




Ainda me lembro quando uma noite me inspirava;
a lua, as estrelas, a imensidão das questões universais
encarceradas nos segredos da galáxia e dos cometas;
.
Ou quando as paixões vivacidavam a juventude,
- a ênfase platônica das sensações que cintilavam o olhar
transformando o instante no encanto enfeitiçado.

- Virei um poeta informal das causas banais e contraditórias;
um poeta limitado e de poucos amigos;
cheio de dissidências
e sem um amor que conforte o espírito das sensações.

ah.... saudade da pouca experiência e da inocência do entusiasmo...

.

(Douglas G Cremasco) Agosto 2010

29 julho 2010

Poema que não quis terminar ou nomear







e ao fixar seu olhar lhe pergunta

quando entende o mal trato consigo:

- Você não me ama mais? – (a mão junta):

- Não!; - e lhe diz que é somente um amigo!



(Douglas G Cremasco)

A FORMA PERFEITA DE SEU GOSTO

NAMORE UM BARRIGUDINHO
>
> (palavras de uma psicóloga experiente)
>
> Tenho um conselho valioso para dar aqui: se você acabou de conhecer um
> rapaz, ficou com ele algumas vezes e já está começando a imaginar o
> dia do seu casamento e o nome dos seus filhos, pare agora e me escute!
> Na próxima vez que encontrá-lo, tente disfarçadamente descobrir como é
> sua barriga.
>
> Se for musculosa, torneada, estilo `tanquinho´, fuja! Comece a correr
> agora e só pare quando estiver a uma distância segura. É fria, vai por
> mim.
>
> Homem bom de verdade precisa, obrigatoriamente, ostentar uma
> barriguinha de chopp. Se não, não presta. Estou me referindo àqueles
> que, por não colocarem a beleza física acima de tudo (como fazem os
> malditos metrossexuais), acabaram cultivando uma pancinha adorável.
> Esses, sim, são pra manter por perto. E eu digo por quê.
>
> Você nunca verá um homem barrigudinho tirando a camisa dentro de uma
> boate e dançando como um idiota, em cima do balcão. Se fizer isso, é
> pra fazer graça pra turma e provavelmente será engraçado, mesmo. Já os
> `tanquinhos´ farão isso esperando que todas as mulheres do recinto
> caiam de amores - e eu tenho dó das que caem. Quando sentam em um
> boteco, numa tarde de calor, adivinha o que os pançudos pedem pra
> beber? Cerveja! Ou coca-cola, tudo bem também. Mas você nunca os verá
> pedindo suco. Ou, pior ainda, um copo com gelo, pra beber a mistura
> patética de vodka com `clight´ que trouxe de casa.
>
> E você não será informada sobre quantas calorias tem no seu copo de
> cerveja, porque eles não sabem e nem se importam com essa informação.
> E no quesito comida, os homens com barriguinha também não deixam a
> desejar.
>
> Você nunca irá ouvir um ah, amor, `Quarteirão´ é gostoso, mas você
> podia provar uma `McSalad´ com água de coco. Nunca! Esses homens
> entendem que, se eles não estão em forma perfeita o tempo todo, você
> também não precisa estar. Mais uma vez, repito: não é pra chegar ao
> exagero total e mamar leite condensado na lata todo dia! Mas uma
> gordurinha aqui e ali não
> matará um relacionamento. Se ele souber cozinhar, então, bingo!
> Encontrou a sorte grande, amiga. Ele vai fazer pra você todas as
> delícias que sabe, e nunca torcerá o nariz quando você repetir o
> prato. Pelo contrário, ficará feliz.
>
> Outra coisa fundamental:
>
>
>
> Homens barrigudinhos são confortáveis!
>
> Experimente pegar a tábua de passar roupas e deitar em cima dela. Pois
> essa é a sensação de se deitar no peito de um musculoso besta.
> Terrível!
>




> Gostoso mesmo é se encaixar no ombro de um fofinho, isso que é
> conforto. E na hora de dormir de conchinha, então? Parece que a
> barriga se encaixa perfeitamente na nossa lombar, e fica sensacional.
>
> Homens com barriga não são metidos, nem prepotentes, nem donos do mundo.
>

> Eles sabem conquistar as mulheres por maneiras que excedem a barreira
> do físico. E eles aprenderam a conversar,a ser bem humorados, a usar o
> olhar e o sorriso pra conquistar. É por isso que eu digo que homens
> com barriguinha sabem fazer uma mulher feliz.
>
> CARLA MOURA
> PSICÓLOGA, ESPECIALISTA EM SEXOLOGIA
>

27 junho 2010

MINI CONTO DE AMOR

Era sábado. O dia estava com aquele solzinho morno de inverno e azul límpido no céu. Eles caminhavam absortos em seu mundinho, partilhando as comezinhas historietas da vida privada. Entretidos, não chateavam com os quilos a mais que salientes pulavam para fora da calça vermelha dela. E ninguém se preocupava com a marca do tênis novinho que ele usava. A vida diária no papo, tão só: contas, questões, carro, empregada, planos para amanhã e para o almoço de logo mais. De repente… não, não havia uma pedra no meio do caminho: o cadarço dela desamarrou. Estancou rápida. Não praguejou.

Ele prontamente se abaixou e amarrou os laços que talvez naquele instante tenham se estendido para uma vida inteira.


Alena Cairo



DUVIDAR

Duvidar


O duvidar é potente

quando se envolve a paixão,

pois entre o crer e o descrente

há lados de imensidão!


(Douglas G Cremasco) 26/06/2010

10 junho 2010

ACERTO INDESEJADO

ACERTO INDESEJADO


Abotoei a camisa;

enrosquei a gravata em meu pescoço

adstringindo o cerco ao espaço do frescor.


- As angústias e temores de outro dia tateavam-me a circunstância!


Havia uma saudade contraditória e irreversível àquela tarde ensolarada

e minhas questões de marido regiam uma orquestra íntima em minhas sensações.


Meu filho brincava num universo paralelo,

(sempre ouço suas conversas com os seres inanimados)

finjo não ouvir ou ver para não atrapalhar essa colateralidade.


- Foi o único acerto indesejado que realizei na casualidade do universo.


(Douglas G Cremasco)


08/06/2010

19 maio 2010

EU POR MIM MESMO!!!



POEMAS DE UMA DÉCADA DE MIM PARA MIM MESMO...



BARBA

Embrutece a barba, enruga
a carne que se apodrece.
A aurora funde e madruga
a criança que me esquece!

Que, infinitamente, não!
que não desapareceu,
mas que esconde na razão
do dia, - me escureceu.

(DOUGLAS G CREMASCO)




JANELAS

Abro a janela de meu quarto
para o mundo entrar.
E fico quieto, imaginando e quieto,
as janelas que estão fechadas hoje.

E fico mais triste pensando nas janelas que poderiam existir.

(DOUGLAS G CREMASCO)



O MINUTO

Não suporto a tristeza somente,
mas não porto a alegria constante,
e a beleza da vida, realmente,
é fazer de um minuto o bastante


(DOUGLAS G CREMASCO)



INCERTEZA

A estranheza do amor sobre a vida
me recobre em palor à existência:
- Cria a ausência em meu peito, sofrida;
e a presença do incerto à demência
.

(DOUGLAS G CREMASCO)


O PENSAR

Não!
Não peço-te para ouvir-me,
Mas peço-te para apreciar-me
e enxergar-lhe-me o que jamais vi;

Não peço-te que venha falar,
Falar-lhe-ei, mas não escutarás
se tampastes o que mandei;

Não peço-te para ir,
pois já estou de saída...

caminhando nas estradas de minha mente.

(DOUGLAS G CREMASCO)



A FUNDO

As pessoas em minha volta
são todas humanas:
erram, envergonham,
humilham, destroem...

Eu faço parte de minha volta!
Vejo-me em meu centro
com os olhos babando lágrimas...

- Não queria ser humano!
queria ser uma pedra.

Queria ser uma pedra jogada num lago por mim...


(DOUGLAS G CREMSCO)




QUADRA MARCIAL ÀS PALAVRAS ESQUECIDAS

Invisíveis nas folhas passadas
as palavras que eu já esqueci,
dão vocálicos gritos de guerra
da poesia que eu não escrevi!

(DOUGLAS G CREMASCO)



O BEIJO PRIMEIRO

Em uma turbulência compacta
minha ingenuidade transbordava.

O beijo primeiro.

Era criança, pequena, pouca...
As explicações da vida petulavam virgens e brancas.

A professora da escolinha me chamou:
“ – Você tem que beijar as menininhas!”
(disse ela com uma certeza sem roupas
sentada com o traseiro na ponta de um iceberg).

Beijei um amiguinho, riram;
envergonhei-me não sabia bem por quê.

Distanciei-me do melhor amigo da turma da pré-escola.

Hoje sou casado há dois anos;
talvez tenha filhos se possuir coragem,
e nunca me esqueci daqueles claros tempos
onde o sol era um lanterna grande
e o mar enchido com a mangueira...

(DOUGLAS G CREMASCO)


POEMAS DE MIM PARA MIM MESMO....